• Sabrina Wertzner

Fases, detecção e tratamento do HIV



Nessa semana, nosso foco é o HIV/Aids. Falarei de forma sucinta, portanto, as fases, detecção e tratamento do HIV.

A infecção pelo HIV cursa com um amplo espectro de apresentações clínicas que podem ocorrer desde semanas após o contágio até anos após.

Fases

Na primeira fase instala-se a infecção aguda. Ela é definida como a Síndrome Retroviral Aguda (SRA) que se apresenta geralmente entre a primeira e terceira semana após a infecção. Esta fase é marcada por um conjunto de manifestações clínicas: febre, adenopatia, faringite, exantema, mialgia e cefaleia.

Posteriormente, em torno da quarta semana bilhões de partículas virais passam a ser produzidas diariamente, a viremia plasmática alcança níveis elevados e o indivíduo torna-se altamente infectante.

‘’Os sinais e sintomas que caracterizam a SRA, por serem muito semelhantes aos de outras infecções virais, são habitualmente atribuídos a outra etiologia e a infecção pelo HIV comumente deixa de ser diagnosticada.’’

A segunda fase é chama de período de latência, na qual o HIV ainda está ativo, mas reproduz em níveis muito baixos. Nesta fase nota-se apenas a linfadenopatia (processo patológico que afeta os nódulos linfáticos), mas o restante do exame físico mantém-se normal. Os exames laboratoriais podem estar sutilmente alterados, com achados de plaquetopenia, anemia e leucopenia leves.

A terceira fase é chama de Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (SIDA), que se dá pelo aparecimento de infecções oportunistas, manifestações não infecciosas e neoplasias.

Detecção

A sorologia para a infecção pelo HIV é geralmente negativa nessas fases, mas o diagnóstico pode ser realizado com a utilização de métodos moleculares para a detecção de RNA do HIV.

Após este período, diagnóstico da infecção pelo HIV é feito a partir de exames laboratoriais e os testes rápidos que podem ser realizados nas unidades da rede pública e nos Centros de Testagem e Aconselhamento - CTA.

Tratamento

A TARV tem por objetivo diminuir a morbi-mortalidade das Pessoas que Vivem com HIV-Aids (PVHA), melhorando a qualidade e a expectativa de vida.

Existem duas frentes de tratamento:

1ª) Deve sempre incluir combinações de três antirretrovirais, sendo dois ITRN/ITRNt associados a um ITRNN.

2ª) Em situações em que o uso de efavirenz e nevirapina esteja impossibilitado, deve-se proceder à sua substituição por um Inibidor de Protease.

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis, Aids e Hepatites Virais.Por que fazer o teste de aids. Disponível em: <http://www.aids.gov.br/pagina/por-que-fazer-o-teste-de-aids>. Acesso em: 28 nov. 2016.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diretrizes para a organização da Rede de Profilaxia Antirretroviral Pós-Exposição de Risco à Infecção pelo HIV - PEP. Brasília: Ministério da Saúde, 2016. 32 p. Disponível em: <http://www.aids.gov.br/sites/default/files/anexos/publicacao/2016/59134/diretrizes_para_a_organizacao_da_rede_de_profilaxi_31931.pdf>. Acesso em: 28 nov. 2016.

UNAIDS BRASIL. Informações básicas: Sobre o HIV e a AIDS. Disponível em: <http://unaids.org.br/informacoes-basicas/>. Acesso em: 28 nov. 2016.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Guia de consulta rápida protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para manejo da infecção pelo HIV em adultos. Brasília: Ministério da Saúde, 2015. 20 p. Disponível em: < http://www.aids.gov.br/sites/default/files/anexos/publicacao/2013/55308/guia_rapido_protocolo07_2015_pdf_29479.pdf>. Acesso em: 28 nov. 2016.

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis, Aids e Hepatites Virais. 7. Tratamento antirretroviral. Disponível em: <http://www.aids.gov.br/pcdt/7>. Acesso em: 28 nov. 2016.

WIKIPÉDIA. Antirretroviral. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Antirretroviral>. Acesso em: 28 nov. 2016.

#HIV #SIDA #AIDS

5 visualizações