• Isis Stelmo

O rim e a carambola

Atualizado: 16 de Jul de 2019



Começouuuuuu mais uma semana temática! E dessa vez é sobre nossos maravilhosos e incríveis RINS!!!

9 de março: World Kidney Day (Dia Mundial do Rim)

Os rins são aqueles órgãos em formato de feijão, principal órgão do sistema excretor, responsáveis pela filtragem de metabólitos dos aminoácidos do sangue, excretando-os com ureia e urina.


Essas duas belezinhas funcionam 24h por dia, sem parar! Claro, se você for uma pessoa saudável e não estiver no grupo de risco.

Você já ouviu falar em Doença Renal Crônica ou DRC?

A DRC é caracterizada quando há uma redução significativa da Taxa de Filtração Glomerular (TFG), ou seja, cai a quantidade de ml/min que os rins conseguem filtrar de sangue.


Os estágios de 2 a 5 necessitam de intervenção e tratamento, tanto medicamentoso quanto dietético.

O chamado tratamento conservador é para os pacientes que estão entre os estágios 2 a 4, no qual a quantidade de proteína ingerida diariamente é reduzida. REDUZIDA e não zerada, como muitos imaginam. Contudo, essa redução é necessária para que os rins não tenham que filtrar tantos metabólitos de aminoácidos e dar "um descanso" a eles.

Já o estágio 5, os rins não estão funcionando nada bem e é necessário muito esforço para filtrar todo o sangue do corpo. Por isso, é necessário que a filtração seja feita de maneira artificial, por meio de diálise peritoneal (em casa, todos os dias) ou hemodiálise (em clínicas especializadas, três vezes por semana).

Mas, por que isso, produção? Foi porque eu comi carambolas demais?

Sabe-se que pacientes com DRC não podem comer carambola, mas essa coitada não é a causadora da doença, como muitas pessoas imaginam (e muitos pacientes já me perguntaram se teriam problemas nos rins por comer essa fruta com frequência).

O que acontece:

A carambola possui uma neurotoxina que não é eliminada por pacientes com DRC, podendo causar dores de cabeça, confusão mental. Em pacientes sem nenhuma nefropatia, a toxina é absorvida, metabolizada e excretada pela via renal.

Os fatores de risco para DRC são principalmente Hipertensão Arterial (HAS), Diabetes mellitus (DM) e histórico na família.


O diagnóstico precoce deveria acontecer durante o acompanhamento na Atenção Primária a Saúde, pois é a Equipe de Saúde da Família que geralmente faz o manejo de pacientes com HAS e DM. Todavia, muitos descobrem já quando estão no estágio 4, quase tendo que se preparar para a diálise, quando já não há muito o que se fazer no tratamento conservador...

Por isso, você que tem HAS, DM, uso prolongado de anti-inflamatórios não-esteroides (AINES) ou histórico na família de DRC, converse com seu médico, solicite os exames para ver a quantas anda a sua TFG e não use medicamentos sem orientação médica.

Cuide bem dos seus rins!

Referências:

O, ESM & Aguiar, Aline S. Por que a ingestão de carambola é proibida para pacientes com doença renal crônica? J Bras Nefrol 2015;37(2):241-247. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/jbn/v37n2/0101-2800-jbn-37-02-0241.pdf> Acesso em 13 mar 2017

Romão Junior, JE. Doença Renal Crônica: Definição, Epidemiologia e Classificação. Brazilian Journal of Nephrology. Disponível em: <http://www.jbn.org.br/details/1183/pt-BR>.Acesso em 13 mar 2017.

#rim #carambola #DRC #DiaMundialdoRim

12 visualizações