• Fernanda Ramos

Vida longa ao café!


O consumo café tem sido incentivado por seus efeitos benéficos à saúde, advindos dos seus compostos bioativos, como a cafeína e os compostos fenólicos.

Muitos desses benefícios tem ganhado evidências consistentes nos últimos anos, mas um deles tem se destacado: a redução do risco de morte por todas as causas.

No ano passado a gente já faz um texto sobre os benefícios (e efeitos colaterais) da bebida mais consumida no mundo todo e você pode conferir nos posts relacionados no final desse texto.


Quanto a mortalidade, nosso destaque aqui, vários estudos multicêntricos prospectivos tem encontrado resultados muito interessantes quanto ao consumo crônico de café.

Pra começar, algumas características comuns são encontradas entre os consumidores de café, como serem mais jovens, fumarem e consumirem mais bebida alcoólica, o que não parece ser uma boa combinação, dados os efeitos negativos do álcool e do tabagismo para a saúde.

O estudo EPIC (European Prospective Investigation into Cancer and Nutrition), realizado em 10 países europeus com 521.330 participantes e acompanhamento de mais de 16 anos, mostrou que o alto consumo de café, tanto cafeinado quanto descafeinado, foi associado a menor risco de morte, particularmente de doenças dos sistemas circulatório e digestório.

O estudo MEC (Multiethnic Cohort), que acompanhou mais de 185.000 participantes de diversas etnias por mais de 16 anos, encontrou a mesma associação inversa entre consumo de café e mortalidade por todas as causas entre não fumantes, fumantes prévios e fumantes atuais, de todas as idades. A redução do risco de morte ocorreu principalmente para doenças cardíacas, câncer, AVC, Diabetes e doença renal.

Outros dois estudos prospectivos importantes, o Nurses’ Health Study e o Health Professional Follow-up Study, também mostraram que o consumo de 1 a 3 xícaras de café por dia associou-se a 9% menor risco de morte por todas as causas comparado à ausência de consumo.

Outros estudos mostram a mesma associação inversa entre consumo de café e mortalidade, mais consistente nas doenças cardiovasculares, mais controversas quanto a câncer, com o mesmo fator confundidor ou enfraquecedor dos efeitos positivos: o tabagismo. Tem sido encontradas ainda associações entre o consumo da bebida e redução do risco de doenças neurológicas, como a Doença de Parkinson.

O consumo médio encontrado em todos os estudos é de 3 a 4 xícaras de café por dia, cafeinado ou descafeinado.

Além disso, o café tem sido considerado fator de proteção para doenças hepáticas crônicas e associado a menor risco de mortalidade, como na doença hepática não alcoólica e cirrose hepática.

Entre os consumidores de café, foram encontrados menores valores dos indicadores bioquímicos para função hepática, bem como estudos experimentais tem encontrado efeito anti-fibrogênicos e de proteção na esteatogênese e carcinogênese nas células hepáticas e nas células esteladas, importantes no processo de fibrose, relacionados à cafeína e ácido clorogênico.

É sempre bom lembrar que esses resultados não nos tornam livres para ter hábitos de vida inadequados, como consumir álcool em grande quantidade e fumar, usando café para minimizar os efeitos negativos. Ao contrário disso, nos possibilitam ter mais um aliado na longevidade e na redução de risco de desenvolvimento de doenças crônicas.

Gunter MJ, Murphy N, Cross AJ, Dossus L, Dartois L, Fagherazzi G, et al.Coffee Drinking and Mortality in 10 European Countries: A Multinational Cohort Study. Ann Intern Med. 2017.

Park S, Freedman ND, Haiman CA, Le Marchand L, Wilkens LR, Setiawan VW. Association of Coffee Consumption with Total and Cause-Specific Mortality Among Nonwhite Populations. Ann Intern Med. 2017.

Crippa A, Discacciati A, Larsson SC, Wolk A, Orsini N. Coffee Consumption and Mortality From All Causes, Cardiovascular Disease, and Cancer: A Dose-Response Meta-Analysis. Am J Epidemiol. 2014.

Salomone F, Galvano F, Volti GL. Molecular Bases Underlying the Hepatoprotective Effects of Coffee. Nutrients. 2017.

Grosso G, Micek A, Godos J, Sciacca S, Pajak A, Martinez-Gonzales MA et al. Coffee consumption and risk of all-cause, cardiovascular, and cancer mortality in smokers and non-smokers: a dose response meta-analysis. Eur J Epidemiol, 2016.

Ding M, Satija A, Bhupathiraju SN, Hu Y, Sun Q, Han J, et al. Association of Coffee Consumption With Total and Cause Specific Mortality in 3 Large Prospective Cohorts. Circulation. 2015.

#café #mortalidade #doençascardiovasculares #doençascrônicas

4 visualizações