• Sabrina Wertzner

Especiarias Parte I: Cravo


Há milhares de anos, especiarias como o cravo, o orégano, o tomilho, a canela e o cominho vêm sendo utilizadas como temperos, e também para tratar doenças infecciosas ou proteger alimentos da deterioração por suas atividades antimicrobianas.


Atualmente, na indústria alimentícia, ácidos como o benzóico e sórbicos são comumente aplicados como conservantes químicos para aumentar a segurança e a estabilidade dos alimentos manufaturados, controlando patógenos e sua deterioração por micro-organismos externos, mas também podem resultar no desenvolvimento de resistência microbiológica.

Bactérias resistentes ameaçam a conservação de alimentos, além de prejudicar a eficácia dos antibióticos e limitam as opções terapêuticas mesmo para infecções comuns.

Assim, sugere-se que especiarias possam ser candidatas para o desenvolvimento de novos agentes antimicrobianos contra patógenos.

Nas próximas semanas você saberá os principais pontos sobre algumas especiarias, detalhados a partir de uma revisão recente (2017) que resume os estudos científicos sobre as atividades antibacterianas e antifúngicas de especiarias e seus derivados.

Cravo

O cravo é comumente aplicado na indústria de alimentos como um dos aditivos naturais para aumentar a vida útil devido às efetivas atividades antimicrobianas contra alguns patógenos transmitidos pelos alimentos.

O principal componente ativo do extrato do cravo chama-se eugenol. O eugenol é bem conhecido por suas propriedades terapêuticas e é amplamente utilizado em odontologia, como antisséptico, contra doenças infecciosas causadas por bactérias orais.

A especiaria é capaz de destruir paredes celulares e membranas de micro-organismos e permear o citoplasma, inibindo a síntese normal de DNA e proteínas. Já o eugenol é capaz de inibir a produção de amilase e proteases em Bacillus cereus (B. cereus) e tem a capacidade de deterioração da parede celular e lise celular.

Em cidades no interior de São Paulo, há a tradição de mascar ao longo do dia cravos.

Será que é por isso que enfeita-se o beijinho com essa especiaria?

LIU, Qing et al. Antibacterial and Antifungal Activities of Spices. International Journal Of Molecular Sciences, [s.l.], v. 18, n. 6, p.1283-1345, 16 jun. 2017. MDPI AG. http://dx.doi.org/10.3390/ijms18061283.

#Cravo #especiarias

20 visualizações