• Fernanda Ramos

Tomate faz bem pra próstata! (?)


Você já deve ter ouvido pelo menos uma vez a frase do título desse texto. Chegou a hora entender como funciona essa relação entre o tomate e a próstata.

O câncer de próstata é a segunda maior causa de câncer em homens e a quinta maior causa de mortes relacionadas ao câncer no mundo. Seu desenvolvimento é complexo e está influenciado pela combinação de fatores genéticos, hormonais e ambientais, como nos outros cânceres.

O tomate possui como principal composto bioativo o licopeno, um carotenoide que dá a cor vermelha às frutas e vegetais.


O licopeno é um antioxidante e se acumula em órgãos, incluindo a próstata. Dos antioxidantes, é o que está presente em maiores concentrações no sangue. Tem sido considerado um fator protetivo contra o câncer.

Além disso, o licopeno tem demonstrado capacidade de inibir especificamente a progressão do câncer de próstata, por suprimir a proliferação de células tumorais


dependentes de hormônio, através da ativação de receptores de regulação da diferenciação e desenvolvimento celular, como PPAR γ, LXRα e -ABCA1.

Esse carotenoide pode, ainda, parar o ciclo celular de linhagens celulares tumorais e diminuir a sinalização do IGF-1, proteína que potencializa a proliferação do câncer.

Outros mecanismos de ação encontrados foram a inibição da adesão celular e da propriedade de migração de células cancerígenas não dependentes de hormônio.

Outros carotenóides e polifenóis presentes no tomate também se acumulam na próstata e podem trazer efeitos protetivos anticarcinogênicos.

Em estudos com humanos e em meta análises observou-se que o alto consumo de tomate e produtos derivados ou altos níveis séricos de licopeno estavam associados a menores níveis de PSA (substância produzida pela próstata e que está em níveis elevados na presença de câncer), redução do risco de câncer de próstata e redução de sintomas relacionados ao câncer.

Estudos epidemiológicos, in vitro e in vivo reforçam que o licopeno e o consumo de alimentos que o contém podem proteger contra o câncer de próstata.

Vale ressaltar que a maior parte dos estudos e meta análises com resultados positivos não encontram associação com o tomate cru, mas com tomate que passa por processo térmico.

A revisão sistemática de Rowles et al, demonstrou significativa associação inversa entre o risco de câncer de próstata e o consumo de produtos derivados de tomate, tomate que passou por processo de cozimento e molhos.

Tudo isso porque o uso de altas temperaturas aumenta a biodisponibilidade dos carotenóides por quebrar suas membranas celulares, o que permite que o licopeno seja liberado da sua matriz tecidual. Além disso, acrescentar óleos vegetais (os tais ácidos graxos de cadeia longa) no preparo aumenta ainda mais a biodisponibilidade do licopeno e outros carotenoides por aumentar sua solubilidade.

Logo, as principais fontes alimentares de licopeno são produtos processados de tomate, suco e os molhos a base de tomate.

Mas nem se anime ao pensar no molho de tomate da pizza, porque não foi encontrada associação inversa entre o consumo dessa preparação e o risco do câncer de próstata.

Apesar dos muitos resultados positivos, há estudos com resultados inconclusivos ou com resultados mistos e isso faz com que ainda não haja recomendação de consumo. Não é recomendada a suplementação de licopeno também. Os mecanismos de ação precisam igualmente de maior esclarecimento.

A meta-análise de 2014 da World Cancer Research Fund, por exemplo, falhou em confirmar as associações protetivas do tomate para o câncer de próstata.

Que tal, você que tem próstata, acrescentar fontes de licopeno à alimentação? Só tenha cuidado com a carotenemia! ;P

Lin PH, Aronson W, Freedland S. An update of research evidence on nutrition and prostate câncer. Urologic Oncology. 2017

Rowles JL, Ranard KM, Applegate CC, Jeon S, Na R, Erdman JW. Processed and raw tomato consumption and risk of prostate cancer: a systematic review and dose–response meta-analysis. Nature. 2017

Xu X, Li J, Wang X, Meng S, Zhu Y, Liang Z, et al. Tomato consumption and prostate cancer risk: a systematic review and meta-analysis Scientific Reports. Nature. 2016

Wang Y, Jacobs EJ, Newton CC, McCullough ML. Lycopene, tomato products and prostate cancer-specific mortality among men diagnosed with nonmetastatic prostate cancer in the Cancer Prevention Study II Nutrition Cohort. Int. J. Cancer. 2016.


#tomate #Próstata #Câncer #antioxidantes #licopeno #carotenos

0 visualização