Alguém disse café?

Mais forte ou mais fraco, o café é uma das bebidas favoritas do brasileiro e está bastante presente no dia a dia nas diversas origens do grão e nas formas de apresentação e consumo. É a segunda bebida mais consumida no mundo, depois da água.

Além do cheiro e sabor incomparáveis, o café tem muitos benefícios para nosso organismo. Quer uma desculpa científica para beber café? Vamos te dar algumas!

A cafeína, substância mais prevalente dos mais de 1000 componentes presentes na bebida, atua no sistema nervoso central, e, mesmo em pequenas concentrações, tem efeitos como estado de alerta, bem estar, relaxamento, bom humor e melhora da memória e atenção. Ela também aumenta o gasto energético. O consumo excessivo pode trazer efeitos negativos, como ansiedade, insônia e taquicardia. A ingestão recomendada é de 4 a 5 xícaras pequenas (200 a 250ml) de café por dia (300-400mg cafeína/dia) para adultos.

Os compostos fenólicos presentes no café, dentre eles o ácido clorogênico, atuam positivamente no metabolismo glicídico, podendo melhorar a tolerância à glicose e a resistência à insulina, no metabolismo lipídico, na inibição das enzimas reguladoras da lipogênese, redução do colesterol sérico e o LDL-c e também têm efeito no controle de pressão arterial.

O consumo diário de café mostrou-se ainda fator protetor no desenvolvimento de depressão, reduzindo em 15% o risco da doença no Nurses’Health Study, que acompanhou mulheres por 10 anos. Resultado semelhante foi encontrado no Diet and Health Study, que acompanhou idosos estadunidenses.

Em cardíacos, onde há certa controvérsia na indicação de consumo de café, um estudo de um grupo brasileiro de Porto Alegre, publicado no JAMA, mostrou que a ingestão aguda de doses moderadas de cafeína não induziu arritmias em pacientes com insuficiência cardíaca sistólica e em alto risco de arritmias ventriculares.Um último achado bem interessante é uma publicação deste ano do Nurses’Health Study, que sugere que o alto consumo de café está associado a telômeros mais longos, embora sejam necessárias mais pesquisas para determinar quais compostos do café estão envolvidos na manutenção do telômero e como o consumo de café afeta a saúde e a longevidade.

Vamos tomar um café? Qual a sua forma de consumo preferida?

Os benefícios do café estão associados a hábitos alimentares saudáveis. Caso tenha dúvidas sobre sua alimentação e adequação procure um nutricionista ou um médico de sua confiança para esclarecê-las.

Referências

Nehlig A. Effects of coffee/caffeine on brain health and disease: What should I tell my patients? Pract Neurol 2016;16:89–95.

Sarriá B, Martínez‑López S, Sierra‑Cinos JL, García‑Diz L, Mateos R, Bravo‑Clemente L. Regularly consuming a green/roasted coffee blend reduces the risk of metabolic syndrome. Eur J Nutr. Outubro 2016.

Grosso G, Micek A, Godos J, Sciacca S, Pajak A, Miguel A. Martınez-Gonzalez MA et al. Coffee consumption and risk of all-cause, cardiovascular, and cancer mortality in smokers and non-smokers: a dose response meta-analysis. Eur J Epidemiol. Outubro 2016.

Zuchinali P ,Souza GC, Pimentel M, Chemello D, Zimerman A. Short-term Effects of High-Dose Caffeine on Cardiac Arrhythmias in Patients With Heart Failure: A Randomized Clinical Trial. JAMA Intern Med. Outubro de 2016

Chrysant SJ. Coffee consumption and cardiovascular health. Editorial. Am J Cardiol. 2015. 116:818-821

Liu JJ, Crous-Bou M, Giovannucci E, De Vivo I. Coffee Consumption Is Positively Associated with Longer Leukocyte Telomere Length in the Nurses’Health Study. J Nutr. Junho de 2016

Cultura E Tal:

The Baker's Wife (1938)

O filme é baseado em um livro de Jean Giono, um doce conto pastoral, sobre um padeiro que fica pertur-bado quando sua esposa o deixa.

O padeiro então passa-se a recusar a fornecer pão à aldeia até ela voltar para ele.