Atualização: pílula anticoncepcional e os riscos associados

Há indícios que a anticoncepção já vinha sendo praticada desde o século III a.C., quando Hipócrates já disseminava que a semente da cenoura selvagem era capaz de prevenir a gravidez. A partir de então, outras formas de prevenção passaram a ser descobertas e praticadas por mulheres e homens: plantas naturais, tampões vaginais e preservativos feitos com vísceras de animais.

A modernidade permitiu o desenvolvimento de preservativos mais baratos e duráveis, como a camisinha de borracha vulcanizada (1844) e o diafragma (1870).

Foi apenas em 1950 que a noretisterona, um hormônio sintético semelhante à progesterona foi sintetizada, e em 1960 que o noretinodrel, combinado de estrogênio sintético, deu origem a primeira pílula anticoncepcional combinada (contraceptivo oral combinado - COC).

A partir de então, a pílula anticoncepcional mudou o mundo, principalmente o das mulheres.

Apesar disso, riscos silenciosos vêm sendo desmascarados, mostrando que o uso de COC não é só alegria como se sonhava.

Já se tem resultados concretos que o uso de COC está associado a um risco aumentado de trombose arterial, isto é, infarto agudo do miocárdio (IAM) ou acidente vascular cerebral isquêmico (AVCi).

Um estudo da Cochrane (2015) revisou estudos publicados desde a década de 60 para estimar o risco de IAM ou AVCi em usuárias, não usuárias, em diferentes doses e tipos de anticoncepcional.

  • Encontrou-se que o risco de IAM ou AVCi é 1,6 vezes maior em mulheres que usavam COCs;

  • Os dados mostram que o risco é maior para pílulas com mais de 50 μg de estrogênio;

  • Sobre o risco de trombose venosa, sugere-se que a pílula contendo levonorgestrel e 30 μg de estrogênio seja a forma oral mais segura de contracepção hormonal.

Mais recente (2017), avaliou-se se mulheres com condições médicas associadas ao aumento do risco de trombose estariam sujeitas ao mesmo risco do uso de anticoncepcionais se usassem anticonceptivos de apenas progesterona (POC).

  • Encontrou-se que não há aumento das probabilidades de eventos venosos ou arteriais com o uso da maioria dos POC.

Outro estudo de revisão (2016) avaliou se o uso de COC poderia modificar o risco de IAM, AVC, trombose venosa cerebral (TVC) e tromboembolismo venoso (TV) em mulheres obesas e avaliou a relação entre IMC e TV.

  • Concluíram que há evidência limitada (nível II-2) sobre o risco de AVC e IAM: tanto o uso de COC quanto o aumento do IMC aumentam o risco de TV.

Em relação aos eventos tromboembólicos em mulheres com diabetes tipo 1 ou 2 usando contracepção hormonal, encontrou-se que o risco absoluto de tromboembolismo é baixo, mas que, visando evitar os efeitos teratogênicos da hiperglicemia, sugere-se o uso de anticoncepcionais intra-uterinos e subdérmicos.

BAYER. Breve História da Contracepção. 2017. Disponível em: <https://pharma.bayer.com.br/pt/areas-terapeuticas/saude-de-a-a-z/contracepcao/metodos-contraceptivos/historia-contracepcao/index.php>. Acesso em: 06 ago. 2017.


Roach RE, Helmerhorst FM, Lijfering WM, Stijnen T, Algra A, Dekkers OM. Combined oral contraceptives: the risk of myocardial infarction and ischemic stroke. Cochrane Database of Systematic Reviews 2015, Issue 8. Art. No.: CD011054. DOI: 10.1002/14651858.CD011054.pub2.


TEPPER, Naomi K. et al. Progestin-only contraception and thromboembolism: A systematic review. Contraception, [s.l.], v. 94, n. 6, p.678-700, dez. 2016. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.contraception.2016.04.014.


HORTON, Leah G. et al. Combined hormonal contraceptive use among obese women and risk for cardiovascular events: A systematic review. Contraception, [s.l.], v. 94, n. 6, p.590-604, dez. 2016. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.contraception.2016.05.014.


O’BRIEN, Sarah H. et al. Hormonal Contraception and Risk of Thromboembolism in Women With Diabetes. Diabetes Care, [s.l.], v. 40, n. 2, p.233-238, 29 nov. 2016. American Diabetes Association. http://dx.doi.org/10.2337/dc16-1534.

Cultura E Tal:

The Baker's Wife (1938)

O filme é baseado em um livro de Jean Giono, um doce conto pastoral, sobre um padeiro que fica pertur-bado quando sua esposa o deixa.

O padeiro então passa-se a recusar a fornecer pão à aldeia até ela voltar para ele.