Alimentação e cicatrização: os alimentos remosos

Na cultura alimentar popular brasileira, especialmente nos Estados da região norte, existe o costume de se evitar alimentos ditos remosos após cirurgias, ferimentos ou períodos em que se passa por processo de cicatrização.

Para entender esse conceito são necessárias algumas definições.

A cicatrização é um processo complexo que envolve uma série de fases sequenciais e sobrepostas, incluindo inflamação, formação de tecido de granulação (fase proliferativa) e remodelação que resulta na formação de um novo tecido. Esse processo demanda interação entre uma variedade de células, citocinas, fatores de crescimento e moléculas de matriz extracelular.

Acredita-se que alguns alimentos podem interferir diretamente nesses processos e há necessidade de redução ou suspensão total do seu consumo.

Considerando as variações regionais estão incluídos nesse grupo alguns tipos de peixe, carne gordurosa bovina e suína e frutos do mar. São geralmente alimentos gordurosos ou animais de dieta carnívora.

A hipótese é que devido à elevada presença de microrganismos decompositores, produtos tóxicos e componentes celulares resistentes ao cozimento nos tecidos desses animais ocorre alterações na imunidade ou hipersensibilidade imediata.

Dito isso, a pergunta que não quer calar é: é real ou um tabu alimentar?

E qual não é a nossa surpresa que esse costume alimentar faz algum sentido! Pelo menos no que se refere aos alimentos gordurosos.

Alguns estudos experimentais encontraram que a exposição crônica a dietas com alto teor de ácidos graxos saturados, presentes em carnes gordurosas, apresenta efeitos negativos à cicatrização.

Outro estudo demonstrou que uma dieta rica em gordura saturada a trans pode atrapalhar o processo de cicatrização por reduzir a síntese de proteína, especialmente o colágeno, e levar a um processo inflamatório, comprometendo a vascularização do tecido.

O consumo de álcool também compromete a reparação tecidual por aumentar a susceptibilidade a infecções e reduzir o número de células do sistema imune. Uma simples exposição ao álcool pode afetar a fase proliferativa e reduzir a multiplicação celular e a formação de vasos sanguíneos, além de outros efeitos negativos.

Os mecanismos exatos pelos quais o álcool e os alimentos gordurosos estão diretamente relacionados a lesão tecidual e ao retardo no processo de cicatrização ainda não estão bem estabelecidos

Outros fatores que influenciam na cicatrização:

  • Excesso de peso: prejudica a cicatrização por atrasar a contração da ferida por aumentar a duração da fase inflamatória, atrapalhando a neovascularização e a morfologia da célula.

  • Estado inflamatório prévio: há prolongamento da fase inflamatória.

A maior das limitações é que a maior parte dos estudos é feita com ratos e os resultados não podem ser extrapolados para humanos.

Mas, seguindo ou não esse costume, vale sempre a boa a velha recomendação de alimentação equilibrada, visto que todas as fases da cicatrização são dependentes de grande quantidade de proteína, carboidratos e gordura, além de vitaminas e minerais, auxiliando na regulação do sistema imune e na formação de tecido novo.

Nascimento AP, Costa AMA. Overweight induced by high-fat diet delays rat cutaneous wound healing. British Journal of Nutrition. 2006.

Mussy JHA, Correa ACS, Yokoyama LA, Silveira EL, Kietzer KS. Domingues RJS. Incisional wound healing in rats submitted to swine meet feed. Revista Paraense de Medicina. 2014.

Sorg H, Tilkom DJ, Hager S, Hauser J, Mirastschijski U. Skin Wound Healing: An Update on the Current Knowledge and Concepts. Eur Surg Res. 2017

Junior LCB, Estácio AG. Tabus alimentares em medicina: uma hipótese para fisiopatologia referente aos alimentos remosos. Rev Assoc Med Bras. 2013.

Rosa DF, Sarandy MM, Novaes RD, da Matta SLP, Gonçalves RV. Effect of a high- fat diet and alcohol on cutaneous repair: A systematic review of murine experimental models. PLoS ONE. 2017

Song Z, Xie W, Strong JA, Berta T, Ulrich-Lai YM, Guo Q, Zhang JM. High-fat diet exacerbates postoperative pain and inflammation in a sex-dependent manner. Pain. 2018

Cultura E Tal:

The Baker's Wife (1938)

O filme é baseado em um livro de Jean Giono, um doce conto pastoral, sobre um padeiro que fica pertur-bado quando sua esposa o deixa.

O padeiro então passa-se a recusar a fornecer pão à aldeia até ela voltar para ele.