O que há de novo em Doença Diverticular?

Ou, nem tão novo assim, mas não praticado/conhecido 😉


Diverticulose é uma condição complexa e multifatorial, que resulta da herniação da mucosa do cólon

por defeitos na musculatura. Os divertículos são como “bolsos” e estão localizados em regiões bastante vascularizadas.


É um achado comum em colonoscopia para rastreamento de câncer de cólon em pessoas acima dos 50 anos. É mais comum em homens do que em mulheres até a sexta década de vida, quando passa a ser mais comum em mulheres. Aos 85 anos, 2/3 dos indivíduos possui doença diverticular.

A doença é classificada em assintomática, sintomática, não complicada e complicada.



Apenas 25% a 35% das pessoas com diverticulose apresentam sintomas com episódios recorrentes. Os sintomas incluem dor abdominal, alterações no padrão de evacuação e gases, podendo se manifestar com sangramento também.


A diverticulose não é uma doença progressiva e os mecanismos envolvidos no seu desenvolvimento ainda não estão completamente estabelecidos.

Uma das teorias mais antigas e disseminadas indica como mecanismo disparador o trauma mecânico no lúmen intestinal, causado por alimentos pouco digeríveis, como grãos e sementes, sendo responsável também por levar a diverticulite e o sangramento dos divertículos.


No entanto, as explicações mais aceitas estão relacionadas a alterações neurais e na microbiota intestinal.

O desenvolvimento dos divertículos está associado, então, ao aumento da pressão em áreas com parede enfraquecida no cólon, devido degradação neural, comprometendo a integridade da parede do cólon. Também está associado à alterações na microbiota intestinal, por inflamação crônica, com redução de bactérias com propriedade anti-inflamatória, causada pelo aumento do tempo de trânsito intestinal.



Como a teoria mais difundida é a do trauma mecânico, praticamente todas as pessoas com doença diverticular são orientadas a evitar consumir grãos e sementes, milho, nozes e outros alimentos com cascas para reduzir o risco de complicações, mesmo sem sintomas da doença. No entanto, há pouca evidência que suporte essa recomendação.

O Health Professionals Follow-up Study, já em 2008 demonstrou que o consumo de grãos e sementes, milho e nozes não se associou ao aumento do risco de desenvolvimento da diverticulose e de complicações da doença.


Há ainda evidências recentes demonstrando que dietas ricas em sementes, grãos e oleaginosas podem ter efeito protetor, devido ao seu alto teor de fibras.


A gente, em pleno 2020, precisa reconsiderar a recomendação, né?


Dentre os fatores de risco para a diverticulose estão o baixo consumo de fibras na alimentação, consumo aumentado de carne vermelha, gorduras e açúcares simples, inflamação crônica, disbiose intestinal e dismotilidade colônica (por maior tempo de trânsito intestinal aka constipação), hipersensibilidade visceral e tabagismo. Além disso, estudos tem demonstrado que pessoas com obesidade apresentam maior risco para diverticulite aguda e sangramento, provavelmente pelo aumento de gordura corporal e suas complicações metabólicas.

Aspirina, antiinflamatórios não esteroidais e opióides podem aumentar o risco de perfuração e abscesso em pessoas com doença diverticular.


Curiosidade: pelas alterações intestinais e, sendo o intestino nosso segundo cérebro, pessoas com diverticulite são mais propensas a desenvolver distúrbios de humor

São recomendações das principais diretrizes:

  • Alimentação rica em fibras, conforme recomendações dos guias alimentares (em doença sem sintomas/não complicada)

  • Não é recomendada a restrição de grãos, sementes e alimentos que contém cascas

  • Atividade física regular

  • Manutenção de peso adequado

  • Em casos de sintomas de intestino irritável, como dor abdominal, diarreia ou constipação, tratar como síndrome do intestino irritável

  • Cessação do tabagismo (por aumentar em cerca de 23% o risco de diverticulite aguda)

  • Não é recomendado tratamento medicamentoso para indivíduos assintomáticos

  • O tratamento cirúrgico só é indicado em caso de doença complicada ou de alto risco. É o único método que previne recorrência.


Em caso de hospitalização por agudização:

  • Não é necessária restrição alimentar como jejum ou dieta líquida (considerar o risco individual para complicações) - alimentação conforme tolerância e sintomas.

  • Jejum na doença aguda é inefetivo na redução da inflamação, risco de infecção e outras complicações.

  • Após a redução dos sintomas, realizar transição de dieta pobre em fibra para dieta rica em fibra


Associado ao consumo de alimentos ricos em fibras, tem sido proposto ainda o uso de probióticos, com foco em alteração da microbiota intestinal, mas ainda não há resultados claros no seu uso e o tipo de cepa adequada na redução dos sintomas e na prevenção de sua recorrência.


Alimentar-se adequadamente, não fumar e fazer atividade física regular faz muito bem pro seu intestino, e não só pra ele, mas para sua saúde de modo geral. Pensa nisso 😉

Strate LL, Liu YL, Syngal S, Aldoori WH, Guovanucci EL. Nut, Corn, and Popcorn Consumption and the Incidence of Diverticular Disease. JAMA. 2008;300(8):907-914

Strate LL, Morris AM. Epidemiology, Pathophysiology, and Treatment of Diverticulitis. Gastroenterology. 2019

Floch MH, Lomgo WE. United States Guidelines for Diverticulitis Treatment. J Clin Gastroenterol 2016;50:S53–S56

Fluxá D, Quera R. Enfermedad diverticular: mitos y realidades. Rev Med Chile 2017; 145: 209-218

Carabotti M, Annibale B. Treatment of diverticular disease: an update on latest evidence and clinical implications. Drugs in Context 2018; 7: 212526.

Feuerstein JD, Falchuk KR. Diverticulosis and Diverticulitis. Mayo Clin. 2016

Dahl C, Crichtin M, Jerkind J, Nucera R, Mahoney S, Marx W, Marshall S. Evidence for Dietary Fibre Modification in the Recovery and Prevention of Reoccurrence of Acute, Uncomplicated Diverticulitis: A SystematicLiterature Review. Nutrients 2018, 10, 137.

Lanas A, Abad-Baroja D, Lanas-Gimeno A. Progress and challenges in the management of diverticular disease: which treatment?. Ther Adv Gastroenterol2018, 11: 1–21.



Cultura E Tal:

The Baker's Wife (1938)

O filme é baseado em um livro de Jean Giono, um doce conto pastoral, sobre um padeiro que fica pertur-bado quando sua esposa o deixa.

O padeiro então passa-se a recusar a fornecer pão à aldeia até ela voltar para ele.